As projeções eleitorais de 2016

Faltam quatro meses para a eleição presidencial americana. Ainda não sabemos quem serão os candidatos à vice-presidência dos dois maiores partidos. Bernie Sanders ainda não endossou Hillary Clinton oficialmente. Até mesmo uma revolta de parte dos republicanos com a intenção de desbancar Donald Trump na Convenção Nacional Republicana não está descartada. Mas já temos projeções com vários modelos e estilos para a eleição presidencial, com base nas pesquisas, na história eleitoral dos EUA e na demografia dos estados.

Vamos falar de duas delas, aquelas que acompanho com maior interesse, e de um site que permite aos usuários montar sua própria projeção. Outras projeções com métodos diferentes podem aparecer nas próximas semanas e devo comentá-las no Twitter.

FiveThirtyEight

A imagem que ilustra este post é uma fotografia do modelo de projeção do site FiveThirtyEight, do estatístico Nate Silver, tirada no domingo, dia 10 de julho. A cada nova pesquisa, o modelo é atualizado para refletir a nova informação. Uma equação matemática dá pesos diferentes às pesquisas de acordo com sua precisão no passado e trabalha de modo probabilístico. Em vez de estabelecer um limite de vantagem para “garantir” estados para os candidatos, o modelo trata cada disputa como uma probabilidade, e ao somá-las gera uma probabilidade geral após 20 mil simulações.

Como ainda há poucas pesquisas em alguns estados, a confiabilidade do modelo hoje é muito menor do que deverá ser faltando um mês ou menos para a eleição. Em 2012, Nate Silver acertou o resultado dos 50 estados com seu modelo, apesar de inúmeras críticas – comentaristas apostavam que a corrida entre Obama e Romney estava muito mais próxima do que realmente acabou sendo.

Desta vez, Silver criou duas novas versões do modelo para exibição: uma que leva em conta índices econômicos e outra que simula a eleição se ela fosse hoje. As diferenças entre os resultados no momento não parecem grandes, mas se a diferença entre Trump e Clinton se estreitar isso deve mudar com o tempo.

Explorar o modelo pode ser muito divertido, analisando cada estado individualmente. Nota-se que alguns estados tradicionalmente republicanos não têm sido bons para Trump, como Carolina do Sul, Georgia e Arizona. Por outro lado, Hillary parece um pouco mais vulnerável no Meio-Oeste industrial do que foi Obama em 2008 e 2012, especialmente em Ohio.

Sabato’s Crystal Ball

O cientista político da Universidade de Virginia, Larry Sabato, é um comentarista bastante respeitado sobre eleições americanas. Seu time de análise eleitoral se dedica a avaliar as chances não apenas da eleição presidencial, mas das estaduais e distritais. O modelo analítico de Sabato é muito mais qualitativo do que o de Nate Silver, todo baseado em valores mensuráveis.

Se por um lado modelos estatísticos tendem a reduzir o viés humano, que procura padrões onde estes provavelmente não existem e acaba sendo mais conservador e sujeito a erros, por outro podem perder de vista questões políticas difíceis de mensurar, como o histórico dos eleitorados estaduais e fatores de campanha. Sabato prefere portanto uma mescla entre análise de dados e avaliação mais tradicional.

Sua projeção estabelece que alguns estados são “seguros” para um dos lados, enquanto outros são “prováveis” e outros “tendem” a um partido ou outro. Com isso, torna-se natural se concentrar nos estados em que existe maior chance de o resultado se inverter, ignorando os estados seguros – que é a estratégia natural das campanhas ao lidar com seus recursos, especialmente comerciais de TV.

Assim como o modelo de Nate Silver, o mapa eleitoral de Sabato dá favoritismo claro a Hillary Clinton, mas com espaço para Trump incomodar e eventualmente virar o jogo. Se confirmada a vitória dos democratas nos estados marcados como azuis por Sabato, a única diferença entre a eleição de 2012 seria a vitória na Carolina do Norte, que Obama venceu em 2008 mas perdeu para Romney em 2012.

Vale a pena analisar também as projeções de Sabato para as corridas para os governos estaduais e para o Senado. Estas em particular são importantes, devido à grande chance de que os democratas retomem o controle da Câmara Alta a partir de 2017 caso os estados mais disputados favoreçam o partido de Clinton.

270ToWin

O site 270ToWin oferece um mapa interativo. Nele você pode fazer a sua versão de quais estados votarão a favor dos democratas ou dos republicanos, além de testar outras projeções.

Um exemplo importante é o histórico. Se você selecionar a opção “Same Since 2000” terá marcados no mapa os estados que votaram no mesmo partido nas últimas quatro eleições. Isso demonstra a vantagem presumida dos democratas nos últimos anos: 242 votos no Colégio Eleitoral contra 179 dos republicanos.

Ou seja: se Clinton vencer nos estados em que Al Gore, Kerry e Obama venceram sempre, precisará de apenas mais 28 votos no Colégio Eleitoral para vencer a presidência. Trump, por sua vez, precisa de mais 91. A maioria dos estados não marcados hoje dá boa vantagem para Clinton nas pesquisas.

Outro exemplo é o mapa “2016 Toss-Up”, que simula a corrida presidencial se os candidatos estiverem tecnicamente empatados nas pesquisas nacionais. A vantagem dos democratas diminui, mas os estados que ficam em branco e, em teoria, podem ir para qualquer um dos lados são estados em que o eleitorado democrata tem crescido, como Virginia, Nevada e Colorado.

Neste link você pode ver minha aposta atual para o Colégio Eleitoral em novembro. Muito provavelmente acertarei mais da metade dos estados, mas isso é fácil: a maioria está bem definida. Os estados que estão com tons mais claros de azul ou vermelho indicam minha incerteza quanto ao seu resultado.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s